Ingratidão.


Já é noite. Como o tempo passou! Quando você se levantou pela manhã eu já havia preparado o sol para aquecer o seu dia, e o alimento para a sua nutrição.

Sim, eu providenciei tudo enquanto você sonhava, e eu guardava o seu sono.

Esperei por seu bom dia mas você se esqueceu; você parecia ter tanta pressa que eu lhe perdoei.

O sol apareceu, as flores deram o seu perfume, a brisa da manhã lhe acompanhou, mas você sequer notou. Não se deu conta de que eu estava ali cooperando por você; não teve tempo para me ouvir, não teve tempo para as minhas palavras.

A chuva que molhou a terra foram as minhas lágrimas devido a sua ingratidão, e foram bençãos sobre a terra para que jamais lhe falte o pão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lixo: questão de cidadania e responsabilidade social

E porquê é natal....

Consumismo e Ostentação