Pular para o conteúdo principal

Postagens

Contaminados?

Num mundo em que manter as aparências Vale mais do ser autêntico Multidões vão perdendo o seu "eu” Vão perdendo a capacidade de arriscar, De pensar, De analisar. É mais fácil aceitar uma ideia já pronta É mais fácil deixara vida seguir Difícil é viver tão intensamente Porém ... É necessário fazer algumas perguntas Perder algum tempo refletindo. Então, vivemos em uma sociedade viciada? Contaminada em deixar a cura para o próximo? Superar desafios propostos é vencer “momentos” É preciso buscar soluções Combater a disseminação dos discursos de ódio Necessário se faz amar.
Postagens recentes

Os Loucos

Hoje temos os muito loucos Não amantes da paz Nem tampouco sem compromissos.
Mas desprezados pela vida Sem trabalho e sem amor;
Não são livres nem espontâneos Nem poeta ou pensador.
Não pautam a vida em compromissos São fascinados pelo terror.
Sem coragem, sem resistência Demonstram o medo e o pavor,

Ponto

Nem todo ponto É ponto do ônibus Nem todo ponto É o ponto do encontro Nem todo  ponto É o ponto de tricô Nem todo  ponto É o ponto para ver o sol Nem todo ponto Marca um parágrafo Nem todo ponto Significa o fim da linha Nem todo ponto Termina com um ponto Ponto.

Canção ao pecador

Teu corpo curva-se ao prazer Teu leito é o velho pardieiro Gritas e gemes com ardor Representas a essência do medo O gozo falso e a infâmia da carne É um rio roxo a lacrimejar Um homem sem pejo e amor lhe paga E sai para não mais voltar.
Mas, noutro dia qualquer ... Louco e bêbedo Sepulta sonhos, eterniza ilusões E morta no vazio das noites nuas Expões a desgraça da sofreguidão.
Eu sei que choras por um segredo E tens medo do descortinar Preferes o sonho acalentado Tens medo de te revelar
Possuis desejo expostos em teus olhos E não consegues definir ou demonstrar Teus lábios insinuam por entre beijos Palavras sem pronunciar.





Ânsia

Angústia em meu peito bate Angústia forte Climatiza como o som da morte De uma perda, de uma dor  Sinaliza, fere e dói no peito Tão forte quanto seu furor. Martiriza e enfatiza Propõe soluços e amargor Atravessa duramente a minha alma Espeta, espedaça, Fere com ardor. Faz de mim um fariseu Um clemente, um agourento, Ou demente. Faz um ser que anseia por amor.

Por do Sol

O sol se esconde no porto da Barra Foi tragado pelo imenso do mar Esmagado pelo azul dos céus Tornou se rubro pelo calor do ar.
É céu, é água,é mar. É mar, é céu, é sol. É sol, é amarelo, é rubro; É rubro, é laranja, é ouro.
Branco, profundo e calmo Natureza feita de amor Não morre, não foge, não apaga Renasce, revive, é resplendor.