quarta-feira, 30 de junho de 2010

APELIDOS (???)......Bullying?

violencia-infantil.jpg (240×262)

Os tempos mudam e com eles seguem-se as mais variadas formas do ser humano ao invés de buscar o crescimento espiritual, o amor ao seu próximo, segue e envaidece ao seu próprio ego buscando que o outro sinta sua auto estima em desvalorização, e faça da própria vida o encontro com o inferno.
Se outrora os apelidos eram motivos de encontro mais rápido com o amigo a que tanto amávamos, hoje eis que um nome é criado para designar a mais pura e irônica forma de tratar a outrem: o bulling.
 É verdade que muitos apelidos nos aborreciam, e até molestavam de tal forma que resolvíamos nas conhecidas briguinhas da molecada.O termo apelido - do latim appellitu - podia ser destacado para identificar a uma pessoa, objeto ou lugar, ou ainda  como sobrenome (sinônimo de apelido em português europeu). As alcunhas mais comuns têm origem nas características físicas do indivíduo; e em Minas Gerais, a cidade de Claudio , é conhecida como a cidade dos apelidos, pois a maioria dos seus habitantes possui um.
Mas, o bulling é uma forma de discriminação, não é uma coisa simples, são atos agressivos e intencionais tendo como consequência o isolamento, a baixa da auto estima, a depressão, o desejo de vingança.
Com os avanços da tecnologia, o bulling manifestou-se como uma praga através da internet, se infiltrando através de correios eletrônicos, orkut, msn, blogs, etc.
Faz-se necessário que fiquemos atentos pois vivenciamos momentos de tensão,onde a qualquer instante podemos ser o alvo incondicional do stresse do cotidiano, tão maléfico e transbordante de ódios e mágoas acumuladas nas mentes humanas.

Por que tanta violência?

paz01.jpg (312×397)
A violência não é ação. Violência é, na verdade, reação. O ser humano não comete violência sem motivo. É verdade que algumas vezes as violências recaem sob pessoas erradas, (pessoas inocentes que não cometeram as ações que estimularam a violência). No entanto, as ações erradas existiram e alguém as cometeu.Em todo o Mundo as principais causas da violência são: o desrespeito , a prepotência , as crises de raiva causadas por fracassos e frustrações , as crises mentais (loucura conseqüente de anomalias patológicas que, em geral, são casos raros).Exceto nos casos de loucura, a violência pode ser interpretada como uma tentativa de corrigir o que o diálogo não foi capaz de resolver. A violência funciona como um último recurso que tenta restabelecer o que é justo segundo a ótica do agressor. Em geral, a violência não tem um  caráter meramente destrutivo. Na realidade, tem uma motivação corretiva que tenta consertar o que o diálogo não foi capaz de solucionar. Portanto, sempre que houver violência é porque, alguma coisa, já estava anteriormente errada. É essa “coisa errada” a real causa que precisa ser corrigida para diminuirmos, de fato, os diversos tipos de violências.A violência é o desrespeito. O desrespeito é conseqüente das injustiças e afrontamentos, sejam sociais, sejam econômicos, sejam de relacionamentos conjugais, etc. A irreverência e o excesso de liberdades (libertinagens, estimuladas principalmente pela TV), também produzem desrespeito. E, o desrespeito, produz desejos de vingança que se transformam em violências.  Nas grandes cidades, onde as injustiças e os afrontamentos são muito comuns, os desejos de vingança se materializam sob a forma de roubos e assaltos ou sob a forma de agressões e homicídios. Já a irreverência e a libertinagem estimulam o comportamento indevido (comportamento vulgar), o que também caracteriza desrespeito e produz fortes violências.
A vulgaridade, praticada nos últimos anos vem destruindo valores morais e tornando as pessoas irresponsáveis, imprudentes, desrespeitadoras e inconseqüentes. Por isso, precisamos, também, restabelecer a punição infanto-juvenil tanto em casa quanto na escola. Boa educação se faz com corretos deveres e não com direitos insensatos.Precisamos nos reeducar para que possamos transmitir valores aos nossos infantes.

domingo, 20 de junho de 2010

Abandono....

208.jpg (1024×768)

Fiquei a pensar sobre o significado das palavras, e eis que uma se destaca em minha mente: abandono.

Percebo que se recorro ao dicionário, encontro: desamparo, desprezo, renúncia. Mas e o que significa para cada um de nós essa palavra?

Encontro respaldo para tal explicação no abandono afetivo. Dele seguem-se voluntariamente todas as outras formas de abandonar ou abandonar-se. E a ausência da família na vida do indivíduo é preponderante para como consequência o estado de solitário, abandonado.

 Não acredito que a solidão pode aplicar-se, porque -por vezes- necessitamos de momentos sozinhos com a nossa alma para que possamos refletir. Entretanto, o que observamos, é que prevalece, o fator econômico como “substituto” dos laços essenciais para que o homem se torne pleno.

Todos possuímos uma família mesmo que tenhamos ou não restrição. A partir daí os primeiros conceitos serão substanciais diante da trajetoria da nossa vida. Todavia, na atualidade, a figura paterna desaparece espantosamente, deixa o papel de regente, e surge por conseguinte, a fragmentação.

 Nossos jovens envolvidos nessa egocentricidade tornam-se cada vez mais fragilizados, e sucumbem sugados pelas drogas, pela prostituição, por abandono escolar e todas as demais bestialidades. E muitas são as mães que abandonam mesmo antes do nascimento aos filhos. A rejeição é tão horrenda que torna-se espantosa; O que poderia ser a célula mater dissipou-se.

Apesar dos pais possuirem direitos e deveres para com os filhos não exercem mais o controle sócio-cultural e ético-religioso. Buscam transferir para a escola ou terceiros, o que por obrigação e direito lhes é conferido. Em verdade há o abandono, a desintegração das famílias.

E a nossa velhice, os nossos idosos? Esses se” contentam” quando são notados em sua existência pois há muito são ignorados, são vistos como fardos pesados, e até agredidos. Aqueles que o rodeiam não têm paciência e nem tempo para ouvir, preferem deixar ao abandono.

Estamos diante das tecnologias, dos modelos mais avançados de computadores, da rapidez para amar e do se sentir amado (se assim podemos dizer que é amor).

Nos impulsionamos diante do complexo de Peter Pan desejando a eterna juventude, e esquecendo das nossas responsabilidades porque nos tornamos imaturos, e tentamos nos enganar negando a maturidade. Talvez devido ao modismo, queiramos invadir aos sonhos de Cinderela desejando o encontro com alguém idealizado como modelo de perfeição física e intelectual, mas na maioria das vezes ocorre a decepção ou - quem sabe – se falamos em complexos, pode-se dizer que é o complexo de Poliana, onde jamais se aborrece ou reclama, e a tudo aceita para desembocar no solitário abandono, onde se faz necessário compreender queo medo da solidão deve oferecer lugar a acreditar em nossos próprios valores, mesmo que não tão significantes para outros mas de imenso significado para quem possui.

Se tornamos solidários através da transmissão da paz interior e da fé para com o nosso próximo, jamais seremos abandonados, pois certamente em algum lugar haverá uma mão a estender-se em nosso auxílio.

  

 

 

 

 

sábado, 19 de junho de 2010

Questionamentos.


Evolucionismo.jpg (378×400)

A certeza de que aqui chegamos temos, mas quanto a essência da chegada, é inegável que a discussão sobre tal assunto conduz a vários questionamentos. Ainda assim, somos aprisionados a um hemisfério onde o direito de emitir opinião reflete, muitas vezes, a um fio valioso que é o desencarne, ou momento de passagem.
Muitas vezes, buscamos usar palavras mais amenas diante da morte porque - creio - desconhecemos e tememos a algo que não nos é decididamente vislumbrado como uma realidade. A espiritualidade surge então como um caminho para que possamos desenvolver ao nosso espírito, e hoje muitas são as manifestações onde são refletidos aprendizados.
A religião é uma forma do homem tentar religar-se ao princípio de tudo, e essa idéia contempla a um ser superior que tem o poder de interferir em nosso destino; todavia existem os que negam ou duvidam de tal existência. E dentro dessa contemplação as  religiões podem ser monoteístas ou politeístas.Atualmente as monoteístas (admitem a existência de apenas um ser supremo) são dominantes no mundo.
O espiritismo não é religião, e sim uma doutrina filosófica respaldada em base científica e de consequência religiosa.Nos ensina que "a fé inabalável é aquela que pode encarar a razão,face a face em todas as épocas da humanidade"; não admite que presuma-se que Deus é vingativo,violento,inconsequente...porque um ser onde a misericórdia e a caridade são matrizes jamais poderia igualar-se a raça humana.
Mas, o que é a morte? Acredito que morremos quando nos separamos de Deus pois a nossa vida é um aprendizado onde devemos exercitar com sabedoria a transformação dos defeitos em qualidades pois somos um composto de matéria e energia, essa última não desaparece porque no universo tudo se transforma. 
E a nossa existência evolui em busca da perfeição.

sexta-feira, 18 de junho de 2010

DEFINIÇÃO DE SAUDADE

anjo-de-guarda.jpg (319×400)

Li a esse artigo e, sinto a necessidade de compartilhar com os meus amigos:

Como  médico  cancerologista,  já  calejado  com  longos 29 anos de atuação profissional (...) posso afirmar que cresci e modifiquei-me com os dramas vivenciados pelos meus pacientes. Não conhecemos nossa verdadeira dimensão até que, pegos pela adversidade, descobrimos que somos capazes de ir muito mais além.

Recordo-me  com  emoção  do  Hospital  do  Câncer  de  Pernambuco,  onde  dei  meus primeiros passos como profissional... Comecei a freqüentar a enfermaria infantil e apaixonei-me pela oncopediatria. Vivenciei os dramas dos meus pacientes, crianças vítimas inocentes do câncer. Com  o nascimento da minha primeira filha, comecei a me acovardar ao ver o sofrimento das crianças. 

Até o dia  em  que  um  anjo passou por mim! Meu anjo veio na forma de uma criança já com 11 anos, calejada por dois  longos  anos de tratamentos diversos, manipulações, injeções e todos os desconfortos trazidos pelos programas  de  químicos e radioterapias. Mas nunca vi o pequeno anjo fraquejar. Vi-a chorar muitas vezes;    também vi medo em seus olhinhos; porém, isso é humano!

Um  dia,  cheguei  ao  hospital  cedinho  e  encontrei meu anjo sozinho no quarto. Perguntei pela mãe. A resposta que recebi, ainda hoje, não consigo contar sem vivenciar profunda emoção.

— Tio, — disse-me ela — às vezes minha mãe sai do quarto para chorar escondido nos corredores... Quando eu morrer,  acho  que  ela  vai ficar com muita saudade. Mas, eu não tenho medo de morrer, tio. Eu não nasci para esta vida!

Indaguei: 
— E o que morte representa para você, minha querida?
— Olha  tio,  quando  a gente é pequena, às vezes, vamos dormir na cama do nosso pai e, no outro dia, acordamos em nossa própria cama, não é? (Lembrei das minhas filhas, na época crianças de 6 e 2 anos, com elas, eu procedia exatamente assim.)
— É isso mesmo.
— Um dia eu vou dormir e o meu Pai vem me buscar. Vou acordar na casa Dele, na minha vida verdadeira!

Fiquei  "entupigaitado", não sabia o que dizer. Chocado com a maturidade com que o sofrimento acelerou, a visão e a espiritualidade daquela criança.
— E minha mãe vai ficar com saudades — emendou ela.

Emocionado,  contendo  uma  lágrima  e um soluço, perguntei: 
—  E o que saudade significa para você, minha querida?
— 
Saudade é o amor que fica!

quinta-feira, 17 de junho de 2010

MUDAR


mudancas.jpg (400×300)

Mudar é...
Ter coragem de transformar-se e transformar
É aprender com os desafios
É desapegar-se do passado
É refletir e não competir
É usar mas não abusar
É honrar e salvaguardar
É confiar e envaidecer
É ter o não saber ter
É mudando que caminhamos
É caminhando que tropeçamos
É caindo que nos erguemos
É ter vínculos com a indepeendência
É possuir a grandeza e a satisfação
É a certeza da incerteza
É a sabedoria da conclusão.

quarta-feira, 16 de junho de 2010

DELÍRIOS

india20agua1.jpg (370×368)

Em mil delírios roucos lhe abraço
Sentindo o tremor do corpo seu
Por vezes me entristeço no compasso
Percebendo o gosto amargo do adeus.
Sem flecha
Sem arco
Sou a sua índia
Das terras onde a guerra se findou.
Sem medo
Sem rancor
Sou seu gemido.
Nos braços em que seu braço me cercou.
Não quero mais saber de boêmia
Se em casa tenho o gozo de viver
E junto ao gozo toda a alegria
De ser amada e não lhe pertencer.
Fingindo ser criança
Sei que sou a sua mulher...
E em seu copo perco a minha idade.
Deitada em nossa cama sou selvagem
Ou menina delirando de saudades.
De manhã acordo em seu nudismo
Querendo novamente anoitecer
Para afogar de vez esses desejos
Que me afasta nas guerras do prazer.
Se nas ruas de você me despeço
Quero sentir que estou junto a si
E a noite vem chegando pouco a pouco
E sem perceber eu já fugi.
Fugi da vida para os seus braços
Ardentes e me afagando sem cessar
E no amor as luzes adormecem
Criança sou de novo a delirar.




segunda-feira, 14 de junho de 2010

Sonho Junino

FestaJunina2009.gif (372×274)
A paisagem cinzenta demonstrava que a festa era de São João. 
Mas haviam luzes no céu, e tudo era enfeitado por estrelas brilhantes.A noite era fria e a fogueira procurava agasalhar, enquanto o licor decorava a cada rosto que insistia em dominá-lo.
Os olhos estavam ardentes e lacrimejantes mas não perdiam o brilho daquele momento mágico.
Tudo era luz e se refletia em amor nos corações que bailavam ao som do zabumba, do triângulo e do valente acordeon: era o autêntico forró pé de serra.
 A cidade enfeitada por bandeirolas que tremulavam , e acompanhavam ao som, através dos assobios dos ventos. Na igrejinha as beatas entoavam os cânticos.
Roupas coloridas, quadriculadas, manipuladas...tudo era festa na noite de São João.
De repente, um estalo mais forte, e os fogos anunciando que era o momento de acordar.

Um Alguém

Ver imagem em tamanho grande

Querer abraçar...amar
Desejo a entrega
O oferecimento por inteiro
Sem medos, sem receios 
Sem ter hora de acabar.
Enloqucer a cada vez que sinta
Teu corpo por meu corpo tremer...
Um sussurro por querer te ver
Uma lágrima para te saudar.
O complemento do nada inacabado
Do caminho tão bem compartilhado
E da saudade a me acompanhar.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

"Capelinha de melão/é de São João...."


São João é dia 24 de junho, mas é comemorado já na véspera, no dia 23. É um santo católico, primo de Jesus Cristo, filho de Santa Isabel.
A Lenda
Luís da Câmara Cascudo, no seu Dicionário do folclore brasileiro, conta essa lenda:
"A lenda conta que São João, estando deitado no colo de sua mãe, que o embalava, pergunta quando é o seu dia.
Santa Isabel manda que ele durma. E São João dormiu na sua noite querida, porque, se estivesse acordado desceria à terra e tão alegre ficaria que todo o mundo seria destruído pelo fogo.
Talvez seja por isso e também pelo frio do mês de junho, que a festa se dê em torno da fogueira.  Os fogos de artifício seriam para acordar São João.
De acordo com historiadores, esta festividade foi trazida para o Brasil pelos portugueses, ainda durante o período colonial (época em que o Brasil foi colonizado e governado por Portugal).
Embora seja comemorado nos quatro cantos do Brasil, na região Nordeste as festas ganham uma grande expressão. O mês de junho é o momento de se fazer homenagens aos três santos católicos: São João, São Pedro e Santo Antônio. 
 Como Santo Antônio é considerado o santo casamenteiro, é comum as simpatias para mulheres solteiras que querem se casar. No dia 13 de junho, as igrejas católicas distribuem o “pãozinho de Santo Antônio”. Diz a tradição que o pão bento deve ser colocado junto aos outros mantimentos da casa, para que nunca ocorra a falta. As mulheres que querem se casar, diz a tradição, devem comer deste pão.
No Nordeste, ainda é muito comum a formação dos grupos festeiros. Estes grupos ficam andando e cantando pelas ruas das cidades. Vão passando pelas casas, onde os moradores deixam nas janelas e portas uma grande quantidade de comidas e bebidas para serem degustadas pelos festeiros.
Já na região Sudeste é tradicional a realização de quermesses. Estas festas populares são realizadas por igrejas, colégios, sindicatos e empresas. Possuem barraquinhas com comidas típicas e jogos para animar os visitantes. A dança da quadrilha, geralmente ocorre durante toda a quermesse.
O local onde ocorre a maioria dos festejos juninos é chamado de arraial, um largo espaço ao ar livre cercado ou não e onde barracas são erguidas unicamente para o evento, ou um galpão já existente com dependências já construídas e adaptadas para a festa. Geralmente o arraial é decorado com bandeirinhas de papel colorido, balões e palha de coqueiro ou bambu. Nos arraiais acontecem as quadrilhas, os forrós, leilões, bingos e os casamentos matutos.
E o forró? Existed duas atribuições para a origem do nome forró. Uma delas é que corresponda etimologicamente ao termo forrobodó, que - na linguagem do caipira brasileiro - quer dizer festança ou baile popular onde há grande animação, fartura de comida e bebida e muita descontração. A outra é ao termo inglês for all (para todos), usado para designar festas feitas nas bases americanas no Nordeste, na época da Segunda Guerra Mundial, e que eram abertas ao público, ou seja, “for all” e a pronúncia local transformou a expressão em forró.
A música é tocada à base da sanfona, da zabumba e do triângulo, conhecida como arrasta-pé ou pé-de-serra, sendo esta última considerada a versão mais autêntica. O ritmo sofreu algumas variações e atualmente alguns músicos incorporaram o baixo, a guitarra e a bateria às suas melodias.
O São João é a festa mais brasileira de todas, por isso muito da nossa riqueza cultural e folclórica devem estar presentes.

sexta-feira, 4 de junho de 2010

AMADURECER


fenix.jpg (333×345)

Envelhecer é coisa que dá trabalho principalmente quando ainda estamos sem nos dá conta de que o tempo passa. E, nesse passo, sigo a minha estrada procurando a cada dia redescobrir um novo mundo.
Não acredito em pessoas que se acomodam com o passar dos anos, que se juntam em banco da praça, que sentam  prá tricotar, ou ficam à janela sem querer ver o tempo passar.
O mundo em suas constantes mutações determina explicitamente que nada pode parar, pois até a morte é segmento; Foi o tempo em que morrer era descanso: e ainda bem!
Convivo com adolescentes que gritam, reclamam e enloquecem aos meus tímpanos. Parecem querer saculejar todo o meu corpo pedindo que siga as suas idéias, as suas descobertas, os seus anseios e todas as lúcidas e maravilhosas loucuras que se permitem fazer.
E nesse emaranhado doce, tenho ainda o prazer diário de possuir uma filha adolescente com a calma e tranquilidade que lhe é peculiar, tentando através das novas modernidades escolares, me incluir no pacote, para que juntas naveguemos nos tormentos estudantis.
 Felicidade ou amadurecimento fazem parte dessa jornada; quem sabe tais tópicos não estejam aliados para que me façam sentir a cada dia mais feliz.
E eu não quero decididamente parar, seria a própria inutilidade.
Os meus futuros netos precisarão participar dessa minha garra, e certamente faremos muitas aventuras. A minha linda e gostosa filhota, ainda tão jovial e primaveril, determinar-se-a por muitas oportunidades na vida, e juntas celebraremos. Se ganhos ou perdas, mas celebraremos, pois a vida se constitui desses instantes.
      Portanto, sigo, caminho, e redescubro em meu mundo o mundo que vive em mim.

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Eu mereço um netbook

Vida de professor-educador no Brasil é quase que ir em busca de um País á espera de ser descoberto. Daí que invisto na profissão não com a esperança de enriquecer, mas de recriar a realidade de um povo sofrido mas extremamente perseverante. Acredito que ser educador é uma especialidade tão rara quanto ir  em busca de uma pérola no fundo do mar; é uma das profissões mais antigas e mais importantes, tendo em vista que as demais, na sua maioria, dependem dela. Todavia, vivemos o caos salarial até a morte, mesmo buscando especializações, cursos para capacitação, e lutando para conseguirmos sobreviver sem nenhum respaldo, sequer a assistência médica. Ser educador requer doação da alma e dos sonhos. Ter um netbook é querer se imaginar chegando ao 3º milênio, antenado na modernidade.  

 O professor dedica a sua essência na tentativa de criar um mundo melhor; alia-se aos livros, a papéis mesmo que amarelecidos como se dentro dos pergaminhos saltasse a palavra mágica, e ainda assim vivenciamos em nossa bela e árdua tarefa de ensinar, o caos social que se reflete nas salas de aula superlotadas, e nos colégios sem inspetores suficientes. E, sobretudo, sem orientadores educacionais, ou psicólogos, parceiros  essenciais à demanda crescente de adolescentes com graves problemas emocionais (que nem sempre a família absorve). São problemas que temos de enfrentar, em detrimento da nossa saúde física, emocional e psicológica.

Os blogs, hoje tão presentes na vida, constituem-se em um dos meios para que possamos compartilhar as nossas vivências, e quem sabe, participando do concurso cultural diHitt possa dizer:
- Ufa! Agora eu tenho um netbook.
      

Oração a Nossa Senhora de Fátima

maria11.jpg (350×262)
Santíssima Virgem Maria, que nas regiões de Fátima vos dignastes revelar, aos três pastorzinhos, os tesouros de graças que podemos alcançar rezando o santo rosário, ajudai-nos a apreciar sempre mais essa oração a fim de que, meditando os mistérios da nossa redenção, alcançaremos as graças que com insistência vos pedimos.

Senhora de Fátima, olhai para as famílias do nosso imenso Brasil e para as suas necessidades. Vede os perigos que as cercam em todos os momentos, e sede a mãe sempre presente. Sede a nossa intercessora junto ao Pai e ao Filho e ao Espírito santo e alcançai-nos a graça que hoje vos pedimos.
Nossa senhora de Fátima, Rogai por nós!

Ele não foi e nunca será o melhor pai do mundo. Mas ... para todo o sempre será o melhor pai porque foi o meu pai. Ele não foi e n...