sexta-feira, 19 de março de 2010

Quase que sem querer.

Viajando pela vida, ás vezes sem querer, ferimos corações que não tem nada a ver com a nossa desenfreada corrida, na incansável procura pela alegria, pelo prazer, ou mera e simples emoção.
É nesse desejo louco que tentamos satisfazer ao nosso ego. Pisamos mas não enxergamos, e se enxergamos, deixamos de ver.
Não aceitamos que olhares curiosos, furtivos, depravados, sejam mentores da nossa existência. Somos os nossos algozes, e por essa razão teimamos em desconhecer aquilo o que é tão fácil de ser detectado por outros. E, entre as vidas vividas encontra-se a nossa vida, na certeza de que um dia deixará de ser maldita.
Esperamos a lua crescente diante do mundo indecente porque a lua nova haverá de chegar. Em verdade, queremos viver, amar, idealizar, compartilhar, cantarolar. Sonhar é um nosso direito, e não se faz necessário justificar.
Mas se o barco da vida nesse destino incerto, onde a cada dia fragiliza a um ser, sentir a luxúria de amores incontidos, precisará do refrigério do corpo para que possamos nos aquecer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Preciso colo de mãe

Preciso alguém que me diga boa noite ou bom dia. Preciso alguém que se preocupe comigo, me queira bem. Preciso alguém que me d...