terça-feira, 9 de março de 2010

Conversando sobre o amar



Talvez amar seja tão simples, tão fácil e natural, que ninguém aceita aprender.
Tenho percebido muitos amores por aí. Amores grandes (descomunais), sinceros (e verdadeiros), mas se esbarram na simples dificuldade de se tornarem bonitos e companheiros. Daí cobram, exigem, reclamam, deixam de compreender, necessitam mais do que o que oferecem.
Na verdade, amar é não deixar de se sentir amado, é conceder o direito de errar e pedir perdão, é aperceber-se de que a razão - maldita razão - quase sempre aparece em hora errada. Amar é também saber a hora de ter razão.
Para amar, não precisa de teorias, ou teses sobre o que é certo ou errado. Basta ser criança no instante em que não souber como se explicar; é jogar as estratégias e atitudes eficazes sem que seja sábio ou sabido. Jamais temer o "não vai dá certo porque sofrerei depois", afinal tentar e fracassar é no mínimo, aprender. Não tentar é sofrer a perda inestimável do que poderia ter acontecido.
O primeiro passo para amar, creio, é se amar o suficiente para ser capaz de gostar do amor, e só então poder começar a pensar em fazer o outro feliz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Preciso colo de mãe

Preciso alguém que me diga boa noite ou bom dia. Preciso alguém que se preocupe comigo, me queira bem. Preciso alguém que me d...