MORTE OU PARTIDA : DESPEDIDA.









Quando menos esperamos somos chamados para a grande viagem.
 É verdade que antes de chegarmos já sabemos que o retorno será inesperado, mas ainda assim não nos conformamos, não aceitamos. Quem sabe o motivo seja a falta de esclarecimento na hora da declaração desse retorno, quem sabe sejam os mistérios que envolvem a tal embarque. O fato é que nos surpreendemos por qualquer que seja a situação.
Ainda me pergunto o porquê de tanta luta tanta batalha em busca do que eu não sei ainda definir – e certamente não encontrarei a real resposta. Sim, a morte quando surge nos encobre com a dor, a perda, a ausência visível de quem quer que seja. Direi que até o pior dos criminosos quando é arrebatado por esse laço invisível nos faz reflexionar, e chorar.
A morte é o fenômeno natural que mais se tem discutido tanto em religião, ciência, opiniões diversas; A questão de o que acontece, especialmente com os humanos, durante e após a morte (ou o que acontece "uma vez morto", se pensarmos na morte como um estado permanente) é uma interrogação frequente, latente mesmo, na psique humana.
Existem pessoas que se regozijam em dizer que não pensam na morte, porém normalmente, têm uma relação mais sofrível ainda com esse assunto, tão sofrível que nem se permitem pensar a respeito. Os sentimentos determinados por tal momento variam muito entre as diferentes pessoas, podendo ser sentimentos confusos e dolorosos, serenos e plácidos, raivosos e rancorosos, racionais e lógicos, e assim por diante
Para que possamos buscar minorar a dor, uma condição seria pensar que à sobrevivência da espécie e fundamental para a "aventura humana sobre a terra", é que se faça necessário morrer. Através da morte a vida se alimenta e se renova. Desta maneira a morte não seria a negação da vida e sim um artifício da natureza para tornar possível a manutenção da vida, vez que é a cessação da vida devido a alterações irreversíveis que ocorrem no metabolismo celular devido à ausência de entrada de energia. No processo de falta de energia estão a falta de oxigênio e a parada da circulação sangüínea, que levam à ruptura da estrutura celular e em conseqüência dos tecidos e dos órgãos. O organismo não tem como estocar oxigênio e a sua falta leva rapidamente ao processo de morte celular.

"E eu fico a imaginar se depois de muito navegar a algum lugar enfim se chega... O que será, talvez, até mais triste. Nem barcas, nem gaivotas. Apenas sobre humanas companhias... Com que tristeza o horizonte avisto, aproximado e sem recurso. Que pena a vida ser só isto...”
 Cecília Meireles 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lixo: questão de cidadania e responsabilidade social

E porquê é natal....

Consumismo e Ostentação