ÂNSIA

Desenhamo-nos lentamente
Percorrendo flancos
Lambendo o desejo
E. Escapamo-nos!
Desejo-te!
Arrepia-me na tamanha vontade.
E, bebo-te!
Bebe-me.
Cresce a ânsia
De te desenhar
De me desenhares
Com lápis de cera multicor.
As bocas?
Um palco
O nosso sabor
A ausência de critérios…
Esboço.
Percorremo-nos
Bailamos em nós,
Ávidos sonhos de amor
E rolamos pelo chão,
Tudo é pó,
Tudo é cumplicidade,
Tudo esta a flor da pele
Semeias arrepios...
Deponho neste frio
Amaciamos o silêncio. 
Num jogo de luzes
De olhares
Recolhe-te em mim!
Vem passear
Mas deixa que eu use e abuse
Pousando meus olhos noturnos
Em silêncio e sofreguidão
Em presença e união
Em amor num só coração. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lixo: questão de cidadania e responsabilidade social

Consumismo e Ostentação

E porquê é natal....