Tão perto / tão longe





Tudo aqui é simplicidade
A terra, a ar, a razão
O mar se esconde no céu
O céu envolve o avião.
O pôr do sol anoitece
Abraça ao adormecer
O vento acaricia a brisa
Que contempla ao meu viver!
Respiro o ar puro
Ouço o silêncio
Nada sei da podridão
Escuto o que quero, ouço o que sinto
E não firo o meu coração.
Deixo pra trás a inveja
As dores da ingratidão
Penso apenas no presente
Não sei o que é solidão.
-------------------------------------------
Tão perto/longe está a metrópole
Invadida e maculada
Castigada pela evolução
Onde a paz se perde no asfalto
O amor não e a consolação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lixo: questão de cidadania e responsabilidade social

E porquê é natal....

Consumismo e Ostentação