Publicidade na Infância, é preciso entender.



Atualmente, existe no país uma discussão a respeito da regulação da publicidade infantil. Este ano foi publicada uma resolução pelo Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, o qual considerou abusivo o direcionamento de publicidade e de comunicação mercadológica à criança, "com a intenção de persuadi-la para o consumo de qualquer produto ou serviço". São abusivos os anúncios que contêm linguagem infantil, trilhas sonoras de músicas infantis, desenho animado, promoção de distribuição de prêmios ou brindes colecionáveis com apelo ao público infantil, entre outros aspectos.
O Ministério Público Federal defende projeto que impõe limites à publicidade infantil. Todavia, algumas entidades do setor de comunicação - criticam a tal medida. Para eles, o Poder Legislativo é o único foro com legitimidade constitucional para legislar sobre publicidade comercial.
A indústria descobriu que é mais fácil convencer uma criança do que um adulto; Por conseguinte, as crianças são bombardeadas por propagandas que estimulam o consumo e que falam diretamente com elas. Assim, crianças aos cinco anos, já vão à escola totalmente maquiadas e deixaram de brincar de correr por causa de seus saltos altos; Sabem as marcas de todos os celulares, mas não sabem o que é um a borboleta. Elas reconhecem as marcas de todos os salgadinhos, porém não sabem sequer diferenciar uma fruta de um legume.
A situação dos pais não é nada cômoda, visto que a televisão é uma mídia muito forte, e presente. Em muitas vezes, mais presente do que os pais e mães que precisam trabalhar o dia todo, ou boa parte do dia.
É necessário que as empresas tenham consciência, e possam reconhecer o passo civilizatório que o Brasil deu em busca de uma infância respeitada e de uma criança protegida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lixo: questão de cidadania e responsabilidade social

Consumismo e Ostentação

E porquê é natal....