Digas


Digas que sou desejo
Que estremeces ao som da minha voz
Digas que sou teu delírio
E que desato a todos os nós.
Digas que seguras aos meus cabelos
E gritas para que seja só tua.
E que beijas a minha boca carnuda
Trêmula e doce como uma uva.

Diga que ardes em meus braços
E que a tua vida sou eu
Que me insinuo em seus abraços
E deixo- me em teus braços desfalecer.
Deixe que o desejo desenfreado
Não me esqueça nessa manhã
E seguindo a esse compasso
Serei a tua linda manhã.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lixo: questão de cidadania e responsabilidade social

E porquê é natal....

Consumismo e Ostentação