Escrava de Mim

Nossos corpos juntos
Você tão distante de mim
E beijo seus lábios frios
Mas não sinto o calor dos meus.

Juras amor para comigo
Sem uma palavra de afeto e desejo
Sabe que o silêncio é seu prazer.

Usas meu corpo
Pois sou o alimento
Sou o seu voraz apetite
E nada de nada dás.

Sou fraca quase não consigo
Libertar-me das garras,
Em desejos a me atacar

Põe limites ao seu veneno
Se que um dia vou sofrer
Com a liberdade do seu abandono
Em total silêncio por esse viver.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lixo: questão de cidadania e responsabilidade social

E porquê é natal....

Consumismo e Ostentação