Mundo estilhaçado.



Embalsamados pelo ardor das eras, seguimos rumo ao desconhecido, ou tememos afirmar que o temeroso ardil que desenhamos esta estabelecida em nossa existência.
Poderíamos ao passar dos anos querer crer que o homem vislumbraria aos conhecimentos de toda e qualquer natureza – porém, o foco, o maior objetivo deveria ser estabelecer a união e a paz.
Todavia, é necessário explicitar que tornaram-se canibais escolarizados e eivados em consciência do mal que são capazes de provocar.
Haveríamos de buscar questionamento diante de alguém que é capaz de atear fogo em seu semelhante por mero prazer? Ou aquele que se regozija por ter fatiado a outrem com quem reproduziu a sua espécie, e trocou juras de amor?
Ah! A selvageria expande-se a tal ponto que os homens são capazes de provocar o infortúnio, o desespero em seres considerados irracionais, deixando-os abandonados, trancafiados, sem a alimentação básica (água e comida), sem direito a defesa, e provocando o questionamento:
 Se não raciocina por que ao ver o outro sem vida fê-lo tornar-se o seu alimento? E, por que poupou ao moribundo?
Vimos a cada dia que mais e mais as catástrofes impiedosamente se amontoam estilhaçando vidas.
Em cada dor a transmissão do refletir diante da estupidez humana, incapaz de obedecer ao seu próprio universo.


Comentários

  1. Passei por aqui, gostei, fiquei!!!
    Muito bacana o seu blog, já estou seguindo...
    Grande beijo!
    Lisa do blog www.muraldecristal.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Lixo: questão de cidadania e responsabilidade social

E porquê é natal....

Consumismo e Ostentação