Sonhos de Menina




Relembro os meus sonhos de menina
Hoje estou num corpo adulto.
Percebo que não é fácil nem simples
É tão difícil constituir ideias.

As marcas do tempo sangram a alma
Não tenho mais os olhos de menina
Nem o corpo de adolescente;
Tampouco a pele translúcida ...
... Há muito se manchou.

Onde haviam sedas agora são rugas
Em uma estrutura marcada pelos anos.
E o peso dos fardos -  bons ou ruins.
Carregam muitas pedras em silêncio
E outras transporto com rebeldia.

O que posso dar é o meu tudo
O que possuo sei dividir.
A maturidade que me faz sorrir
Lembrar tempos em que choraria
Apresentar muito mais do que beleza.

E os anos dourados me ensinaram
Aguardar quando algo se vai ... O se esvai.
Aprender a força que vem do aprendizado
Que se as marés —fogem — elas retornam,
E as correntes ocultas não levam destroços...

Tudo por que?
O meu sonho é interminável.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lixo: questão de cidadania e responsabilidade social

Consumismo e Ostentação

E porquê é natal....